O acidente sofrido pelo jornalista Cid Moreira, 92 anos, que caiu ao descer uma escada no último dia 1º de fevereiro, trouxe à tona um assunto importante: o cuidado com o idoso. Quedas afetam entre 28% e 35% das pessoas com 65 anos, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), e esse número pode chegar a 42% a partir dos 70 anos. Por isso, o Geros Center, vinculado à organização social Liga Solidária e que realiza ações voltadas para a terceira idade, na cidade de São Paulo, criou o Grupo de Prevenção de Quedas, com equipe multidisciplinar.

O Geros Center é um centro de atividades para idosos que funciona mo Residencial Lar Sant’Ana, unidade Pinheiros, sendo ambos mantenedores da Liga Solidária. Atualmente, 74 idosos residem no local. “Registramos aqui uma média de dez quedas por mês”, contabiliza a fisioterapeuta e responsável técnica Aline Rovarotto Leonardi, integrante do Geros Center.

Com equipe multidisciplinar, Geros Center tem grupo de prevenção especializado

A queda é considerada o problema principal para o idoso por diversos motivos. “A fratura, em função dos declínios decorrentes do envelhecimento, é mais complicado para reabilitar, e isso pode aumentar a dependência do idoso: ele pode ficar com medo de cair de novo, daí, passa a andar menos; se ele andar menos, perde massa muscular. Tudo isso prejudica o próprio processo do envelhecimento. Ou seja, é um efeito cascata”, conclui Aline Rovarotto.

“Utilizamos um controle padrão nos apartamentos e banheiros, adaptados pra prevenção de quedas”, conta Aline. “Os quartos, por exemplo, não têm tapete e possuem iluminação adequada. Já nos banheiros, não faltam barras de ferro nas paredes, para possibilitarem o apoio, e o assento é elevado. Temos também campainhas de emergência, localizadas em pontos estratégicos. No caso das escadas, o piso é antiderrapante e, entre os degraus, uma faixa amarela serve de alerta”.

O Geros Center atende ainda 32 idosos no Centro Dia e mais 35 no Centro de Atividades. Na programação, oferecida de acordo com a capacidade física/ cognitiva e de acordo com o interesse de cada um, estão: fisioterapia, ioga, dança de salão, alongamento, bicicleta, entre outros exercícios, além de atividades manuais, como culinária e origami; cognitivas, como oficina de memória; e sociais, como bingo e passeios externos e culturais.

Mas e os cuidados para os idosos que não são residentes e participam apenas das programações no Centro Dia e no Centro de Atividades? Pensando neles, a instituição elaborou um folder com dicas para que algumas adaptações sejam feitas em suas casas. “Por exemplo, se o idoso não abre mão do tapete na sala, pelo menos que coloque fitas adesivas embaixo, para fixá-lo no chão”, diz Aline Rovarotto.

Em sua equipe multidisciplinar, o Geros Center possui profissionais das áreas de fisioterapia, nutrição, enfermagem, gerontologia, geriatria, terapia ocupacional, educação física e psicologia.

Cuidados

De acordo com o ELSI-Brasil (Estudo Longitudinal de Saúde dos Idosos Brasileiros), pesquisa coordenada pela Fundação Oswaldo Cruz de Minas Gerais (Fiocruz-MG) e pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), entre os anos de 2015 e 2016 em todo o país, 43% dos idosos entrevistados disseram ter medo de cair na rua.

O Ministério da Saúde recomenda 12 cuidados para prevenir quedas na Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa:

– Evitar tapetes soltos
– Escadas e corredores devem ter corrimão nos dois lados
– Usar sapatos fechados com solado de borracha
– Colocar tapete antiderrapante no banheiro
– Evitar andar em áreas com piso úmido
– Evitar encerar a casa
– Evitar móveis e objetos espalhados pela casa
– Deixar uma luz acesa à noite, para o caso de precisar se levantar
– Esperar que o ônibus pare completamente para subir ou descer
– Colocar o telefone em lugar acessível
– Utilizar sempre a faixa de pedestre
– Se necessário, usar bengalas, muletas ou instrumentos de apoio

Divulgacão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *