Representantes da Organização Mundial da Saúde (OMS) de Washington, e da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS) estiveram no Paraná nos dias 05 e 06 de março, para ver de perto os avanços do município de Pato Branco, após receber a certificação de Cidade Amiga do Idoso pela OMS. Eles foram, ainda, a Guarapuava, para participar da assinatura do terno de adesão do município ao Cidade Amiga do Idoso. Ambas ficam no Paraná.

Guarapuava

Dia 05 de Março, a comitiva esteve em Guarapuava para assinatura do termo de adesão do município ao programa Cidade Amiga do Idoso, da OMS. Na ocasião, representantes do Governo do Paraná assinaram um convênio com a UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná), e com universidades estaduais, para implementação do programa EBAPI (Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa) no município.

Segundo informações do governo do Paraná, o programa confirma o compromisso com a efetividade do Estatuto do Idoso, com o objetivo de estimular o desenvolvimento de ações para o envelhecimento ativo, saudável, cidadão e sustentável para as pessoas idosas.

Pato Branco

Em Pato Branco, os representantes da OMS e da OPAS foram ver os avanços do município na promoção do envelhecimento ativo, após a certificação de Pato Branco como Cidade Amiga do Idoso pela OMS.

O município foi certificado em Junho de 2018, após a deputada federal Leandre (PV) levar o programa da OMS ao conhecimento das lideranças locais.  Lá, o modelo de gestão e implantação do projeto, com a participação efetiva dos clubes de Rotary, foi diferente de todos os outros municípios certificados pela OMS. O modelo deu tão certo que, em pouco mais de um ano e meio de trabalho, foi o terceiro do Brasil e primeiro do Paraná a receber o certificado da OMS como Cidade Amiga do Idoso.

Entre as ações que chamaram a atenção da OMS estão: a mobilização social através da Comunidade Rotariana, a promoção de políticas públicas que garantem a qualidade de vida para os idosos, como acessibilidade em vias públicas e edificações, além de acesso à cultura, lazer, e atividades de promoção à saúde.

O modelo de gestão do programa em Pato Branco, além do Rotary, conta com apoio fundamental da Administração Municipal, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), e Conselho Municipal do Idoso. A certificação de Pato Branco levou a OMS a validar este modelo de gestão. Desta maneira, este mesmo modelo pode ser implantado em qualquer município.

A importância de Políticas Públicas

Política pública, comumente referida no plural políticas públicas, é a soma das atividades dos governos, que agem diretamente ou através de delegação, e que influenciam a vida dos cidadãos. De uma forma ainda mais abrangente, pode-se considerar as Políticas Públicas como “o que o governo escolhe fazer ou não fazer”.Wikipédia

Como já afirmou o epidemiologista e geriatra Alfredo Kalache, “longevidade sem qualidade de vida é prêmio envenenado.” Daí um consenso entre especialistas do mundo todo afirma que para viver mais e melhor, as políticas públicas de saúde devem focar no cuidado permanente. Esse cuidado não pode ser interrompido no fim da vida. Pesquisadores do Dartmouth Institute identificaram que é alarmante o número de pessoas com doenças terminais que poderiam morrer com dignidade, seguindo seus desejos e crenças, mas têm esse direito negado.

Levantamentos anteriores já haviam mostrado que a maioria dos pacientes com enfermidades sem chance de cura preferiria morrer em casa, longe de intervenções e terapias agressivas. Entretanto, um em cada cinco morre num hospital – um em cada sete em unidades intensivas – sendo submetido a esses procedimentos. Os pesquisadores concordam que é preciso investir numa comunicação mais eficiente entre pacientes, familiares e profissionais de saúde.

No Brasil, em 2060, haverá perto de 60 milhões de pessoas acima dos 65 anos. As políticas deverão prever assistência para inclusive quem enfrenta uma doença irreversível e terminal – o fecho acalentado dessa cadeia de cuidados permanentes que todos merecem.

Com informações do https://m.gmaisnoticias.com e Longevidade Modo de Usar (G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *